http://www.facebook.com/l.php?u=http%3A%2F%2F74.222.1.197%3A13742%2F%3Btype%3Dmp3%26volume%3D100%26

Loading...

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Qual foi o site mais visitado em um único dia?


Qual foi o site mais visitado em um único dia?por Nina Weingrill



Foi o da rede americana CNN, que declarou ter recebido, em 4 de novembro de 2008, 27 milhões de visitantes na página de cobertura da última eleição presidencial nos EUA. Mas esse troféu de popularidade pode não estar nas mãos do verdadeiro vencedor. "É difícil saber se a CNN bateu mesmo um recorde mundial, pois não há uma ferramenta que meça a audiência de todas as páginas de todos os sites do mundo", explica Fernando Frota, pesquisador do Laboratório de Arquitetura e Redes de Computadores (Larc), da Universidade de São Paulo. Em outras palavras, cada site é o responsável por registrar a quantas anda sua popularidade, podendo liberar ou não essa informação ao público. O navegador Firefox, por exemplo, marcou 8,39 milhões de usuários em 18 de junho de 2008, no chamado Firefox Day, dia em que uma atualização foi disponibilizada para ser baixada gratuitamente. Veja a seguir como é calculada a visitação de um site. ¿-)

CINTURINHA VIRTUAL
Saiba como se tiram as medidas da visitação em um site

Quando você acessa um site, seu computador manda um bocado de informações suas ao servidor geral desse site, como o seu IP (número que identifica o computador na rede), a data e a hora da visita e em quais páginas você entrou. No servidor do site, um software junta todas as informações de acesso – suas e das outras pessoas conectadas –, descobrindo, entre outras coisas, quais são as páginas mais vistas e quanta gente perambula por lá. Há ainda sites como o Alexa, que analisam o tráfego na web de forma independente, mais ou menos como o Ibope faz para a TV – escolhem um grupo de pessoas que representaria a população total e instalam medidores no computador de cada uma delas. O computador do usuário envia todas as informações de visitação ao Alexa. Em troca, o Alexa repassa informações sobre os sites em que ele navega, como as páginas que estão bombando

http://mundoestranho.abril.com.br/tecnologia/site-mais-visitado-um-dia-431998.shtml

DEVEMOS NOS ESQUECER?


DEVEMOS NOS ESQUECER?
Helci R. Pereira – helcip@uol.com.br - 1964
Fp. 3.13-14

A memória é uma das funções gerais de nossa consciência.
É a Faculdade de lembrar dos fatos.
Sem memória não formar-se-ia a personalidade, por isso que todo o ser humano tem essa capacidade que o difere dos demais seres vivos e lhe dá a consciência do eu.
Uns têm mais memória d que outros. Podemos fazer referência a verdadeiras maravilhas da memória:
a) Alguém q conhecia e lembrava cem mil pessoas pelos nomes.
b) Outro que aprendeu de memória todo o Novo Testamento.
c) Um notável pregador que podia dar de memória todos os detalhes dos 50 capítulos de Isaias.
d) Há pessoas que têm a capacidade de ler uma página dum livro e dizer, logo após, cada palavra.
A Bíblia fala bastante na necessidade de lembrar:
a) Manda-nos lembrar do dia do descanso.
b) Fala aos moços: “Lembra-te do teu Criador...”
c) Fazendo uma séria advertência aos homens do seu tempo Nosso Senhor. disse: “Lembrai-vos da mulher de Ló!”
d) Neemias, referindo-se à maldade do povo de Israel e do seu esquecimento de Deus, assim se expressou: “Recusaram ouvir-te, e não se lembraram das tuas maravilhas”.
e) Ezequiel, tratando da infidelidade do povo de Deus, apresentou o seguinte lamento de Jeová: “Visto que não te lembraste dos dias da tua mocidade, eis que eu farei cair sobre tua cabeça o castigo do teu procedimento”.
Lembrar é muito importante, mas devemos aprender, também, a ESQUECER.


As pessoas mais felizes, mais nobres e mais úteis têm sido as que sabem esquecer.
Paulo nos relata que tinha aprendido a esquecer as coisas passadas...
É necessário, irmãos, desenvolver a capacidade de esquecer.
Muitas pessoas vivem vidas miseráveis porque não puderam esquecer certos fatos...
O tempo é um grande médico, mas ele não tem curado algumas pessoas, porque simplesmente estas pessoas não querem esquecer. Elas guardam coisas em seus corações que prejudicam sua felicidade e seu poder espiritual.
Se queremos ter paz no coração, na alma, devemos aprender a esquecer determinadas coisas.
I. Devemos nos esquecer de nossos erros.
Todos nós erramos. Borracha e lápis, corretor.
Ninguém é perfeito. Onde aquele que nunca errou? Podemos correr o mundo todo e não vamos encontrá-lo.
Às vezes alguém nos pode parecer perfeito. Depois vamos descobrir q estamos errados em nosso conceito.
É comum u’a moça dizer: “Achei o homem perfeito com o qual sonhava. Ele não tem falta. Nós iremos nos casar”. Porém, não é necessário muito tempo após o casamento para ele descobrir que seu príncipe está longe de ser perfeito.
Portanto, devemos aprender a esquecer os nossos erros. Nada vamos ganhar, nem vamos melhorar de vida se ficarmos preocupados demais com os erros do passado.
a) Não adianta nada ao fazendeiro ficar preocupado com ma semente errada que plantou o ano passado, mas ele deve aproveitar a lição do seu erro, plantando a semente certa este ano.
b) O dono da loja que errou na compra de um estoque para as festas de fim do ano passado, não ganha nada em lembrar o erro que deu, mas ele pode se dar bem tirando partido do erro dado e comprando um estique certo para as festas deste ano.
Assim deve ser toda a nossa vida. Os erros devem se constituir um prelúdio de vitória na vida e jamais motivo de derrota.
Devemos esquecer os nossos erros sem nos afligir com eles e fazendo deles uma escada para o sucesso futuro.
II. Devemos nos esquecer das pequenas contendas e desentendimentos da caminhada da vida.
É natural para nós termos desentendimentos, aborrecimentos. Somos seres humanos.
Somos todos um pouco egoístas, invejosos, vaidosos e interesseiros,
Quando alguém diz ou faz alguma coisa que nós pensamos ter sido dirigida para nós, nós imediatamente nos ofendemos.
Nós abrigamos ou guardamos estas coisas no coração e elas afetam a nossa vida e as nossas relações com os outros.
Por tudo isso é natural que desentendamos, que discordemos uns dos outros.
Mas, se é natural haver desentendimentos, incompreensões e rixas, é cristão esquecer estas coisas. O mal não está em altercarmos, discordarmos, o mal está em não sabermos esquecer.
O cristão deve ser tão grande que não possa guardar estas coisas em seu coração. Ele deve esquecê-las e pô-las todas fora.
Como crentes devemos reconhecer nossas próprias fraquezas e perdoar as fraquezas dos irmãos.
Às vezes deixamos de servir ao Senhor ou deixamos de ir à igreja porque o pastor disse algo que não nos agradou. Mas, por que vamos atirar contra Deus ou contra a igreja as queixas que temos contra uma pessoa?
Irmãos, a vida é curta, tão curta! Nós estamos aqui por alguns anos e devemos fazer o melhor que pudermos com o nosso tempo. Um espírito errado acaba com a nossa tranqüilidade com a nossa espiritualidade como um câncer acaba com o poder vital do nosso corpo. Nós devemos ter um espírito perdoador.
Nós devemos aprender a esquecer as querelas e desentendimentos da vida e dizer com Paulo: “Esquecendo as coisas que para traz ficam, prossigo para o alvo”.

Coisas que me enviam - Pr. H

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Para onde iremos?


Estima-se que haja cerca de 46 milhões de evangélicos no Brasil. Seu crescimento foi seis vezes maior do que a população total desde 1960, quando havia menos de 3 milhões de fiéis espalhados principalmente entre as igrejas conhecidas como históricas (batistas, luteranos, presbiterianos e metodistas). Na década de 1960, a hegemonia passou para as mãos dos pentecostais, que davam ênfase em curas e milagres nos cultos de igrejas como Assembleia de Deus, Congregação Cristã no Brasil e O Brasil Para Cristo. A grande explosão numérica evangélica deu-se na década de 1980, com o surgimento das denominações neopentecostais, como a Igreja Universal do Reino de Deus e a Renascer. Elas tiraram do pentecostalismo a rigidez de costumes e a ele adicionaram a “teologia da prosperidade”. Há quem aposte que até 2020 metade dos brasileiros professará à fé evangélica.



Dentro do próprio meio, levantam-se vozes críticas a esse crescimento. Segundo elas, esse modelo de igreja, que prospera em meio a acusações de evasão de divisas, tráfico de armas e formação de quadrilha, tem sido mais influenciado pela sociedade de consumo que pelos ensinamentos da Bíblia. “O movimento evangélico está visceralmente em colapso”, afirma o pastor Ricardo Gondim, da igreja Betesda, autor de livros como Eu creio, mas tenho dúvidas: a graça de Deus e nossas frágeis certezas (Editora Ultimato). “Estamos vivendo um momento de mudança de paradigmas. Ainda não temos as respostas, mas as inquietações estão postas, talvez para ser respondidas somente no futuro.”


Nos Estados Unidos, a reinvenção da igreja evangélica está em curso há tempos. A igreja Willow Creek de Chicago trabalhava sob o mote de ser “uma igreja para quem não gosta de igreja” desde o início dos anos 1970. Em São Paulo, 20 anos depois, o pastor Ed René Kivitz adotou o lema para sua Igreja Batista, no bairro da Água Branca – e a ele adicionou o complemento “e uma igreja para pessoas de quem a igreja não costuma gostar”. Kivitz é atualmente um dos mais discutidos pensadores do movimento protestante no Brasil e um dos principais críticos da“religiosidade institucionalizada”. Durante seu pronunciamento num evento para líderes religiosos no final de 2009, Kivitz afirmou: “Esta igreja que está na mídia está morrendo pela boca, então que morra. Meu compromisso é com a multidão agonizante, e não com esta igreja evangélica brasileira.”

Essa espécie de “nova reforma protestante” não é um movimento coordenado ou orquestrado por alguma liderança central. Ela é resultado de manifestações espontâneas, que mantêm a diversidade entre as várias diferenças teológicas, culturais e denominacionais de seus ideólogos. Mas alguns pontos são comuns. O maior deles é a busca pelo papel reservado à religião cristã no mundo atual. Um desafio não muito diferente do que se impõe a bancos, escolas, sistemas políticos e todas as instituições que vieram da modernidade com a credibilidade arranhada. “As instituições estão todas sub judice”, diz o teólogo Ricardo Quadros Gouveia, professor da Universidade Mackenzie de São Paulo e pastor da Igreja Presbiteriana do Bairro do Limão. “Ninguém tem dúvida de que espiritualidade é uma coisa boa ou que educação é uma coisa boa, mas as instituições que as representam estão sob suspeita.”


Uma das saídas propostas por esses pensadores é despir tanto quanto possível os ensinamentos cristãos de todo aparato institucional. Segundo eles, a igreja protestante (ao menos sua face mais espalhafatosa e conhecida) chegou ao novo milênio tão encharcada de dogmas, tradicionalismos, corrupção e misticismo quanto a Igreja Católica que Martinho Lutero tentou reformar no século XVI. “Acabamos nos perdendo no linguajar ‘evangeliquês’, no moralismo, no formalismo, e deixamos de oferecer respostas para nossa sociedade”, afirma o pastor Miguel Uchôa, da Paróquia Anglicana Espírito Santo, em Jaboatão dos Guararapes, Grande Recife. “É difícil para qualquer pessoa esclarecida conviver com tanto formalismo e tão pouco conteúdo.”

No meio dessa busca pela essência da fé cristã, muitas das práticas e discursos que eram característica dos evangélicos começaram a ser considerados dispensáveis. Às vezes, até condenáveis (leia o quadro na última pág.). Em Campinas, no interior de São Paulo, ocorre uma das experiências mais interessantes de recriação de estruturas entre as denominações históricas. A Comunidade Presbiteriana Chácara Primavera não tem um templo. Seus frequentadores se reúnem em dois salões anexos a grandes condomínios da cidade e em casas ao longo da semana. Aboliram a entrega de dízimos e as ofertas da liturgia. Os interessados em contribuir devem procurar a secretaria e fazê-lo por depósito bancário – e esperar em casa um relatório de gastos. Os sermões são chamados, apropriadamente, de “palestras” e são ministrados com recursos multimídias por um palestrante sentado em um banquinho atrás de um MacBook. A meditação bíblica dominical é comumente ilustrada por uma crônica de Luis Fernando Verissimo ou uma música de Chico Buarque de Hollanda.


“Os seminários teológicos formam ministros para um Brasil rural em que os trabalhos são de carteira assinada, as famílias são papai, mamãe, filhinhos e os pastores são pessoas respeitadas”, diz Ricardo Agreste, pastor da Comunidade e autor dos livros Igreja? Tô fora e A jornada (ambos lançados pela Editora Socep). “O risco disso é passar a vida oferecendo respostas a perguntas que ninguém mais nos faz. Há muita gente séria, claro, dizendo verdades bíblicas, mas presas a um formato ultrapassado.”


Outro ponto em comum entre esses questionadores é o rompimento declarado com a face mais visível dos protestantes brasileiros: os neopentecostais. “É lisonjeador saber que atraímos gente com formação universitária e que nos consideram ‘pensadores’”, afirma Ricardo Agreste. “O grande problema dos evangélicos brasileiros não é de inteligência, é de ética e honestidade.” Segundo ele, a velha discussão doutrinária foi substituída por outra. “Não é mais uma questão de pensar de formas diferentes a espiritualidade cristã”, diz. “Trata-se de entender que há gente usando vocabulário e elementos de prática cristã para ganhar dinheiro e manipular pessoas.”

Esse rompimento da cordialidade entre os evangélicos históricos e os neopentecostais veio a público na forma de livros e artigos. A jornalista (evangélica) Marília Camargo César publicou no final de 2008 o livro Feridos em nome de Deus (Editora Mundo Cristão), sobre fiéis decepcionados com a religião por causa de abusos de pastores. O teólogo Augustus Nicodemus Lopes, chanceler da Universidade Presbiteriana Mackenzie, publicou O que estão fazendo com a Igreja: ascensão e queda do movimento evangélico brasileiro (Mundo Cristão), retrato desolador de uma geração cindida entre o liberalismo teológico, os truques de marketing, o culto à personalidade e o esquerdismo político. Em um recente artigo, o presidente do Centro Apologético Cristão de Pesquisas, João Flavio Martinez, definiu como “macumba para evangélico” as práticas místicas da Igreja Universal do Reino de Deus, como banho de descarrego e sabonete com extrato de arruda.


Tais críticas, até pouco tempo atrás, ficavam restritas aos bastidores teológicos e às discussões internas nas igrejas. Livros mais antigos – como Supercrentes, Evangélicos em crise, Como ser cristão sem ser religioso e O evangelho maltrapilho (todos da editora Mundo Cristão) – eram experiências isoladas, às vezes recebidos pelos fiéis como desagregadores. “Parece que a sociedade se fartou de tanto escândalo e passou a dar ouvidos a quem já levantava essas questões há tempos”, diz Mark Carpenter, diretor-geral da Mundo Cristão.


O pastor Kivitz – que publicou pela Mundo Cristão seus livros Outra espiritualidade e O livro mais mal-humorado da Bíblia – distingue essa crítica interna daquela feita pela mídia tradicional aos neopentecostais “A mídia trata os evangélicos como um fenômeno social e cultural. Para fazer uma crítica assim, basta ter um pouco de bom-senso. Essa crítica o (programa) CQC já faz, porque essa igreja é mesmo um escracho”, diz ele. “Eu faço uma crítica diferente, visceral, passional, porque eu sou evangélico. E não sou isso que está na televisão, nas páginas policiais dos jornais. A gente fica sem dormir, a gente sofre e chora esse fenômeno religioso que pretende ser rotulado de cristianismo.”
Procurado por ÉPOCA, Geraldo Tenuta, o Bispo Gê, presidente nacional da Igreja Renascer em Cristo, preferiu não entrar em discussões. “Jesus nos ensinou a não irmos contra aqueles que pregam o evangelho, a despeito de suas atitudes”, diz ele. “Desde o início, éramos acusados disto ou daquilo, primeiro porque admitíamos rock no altar, depois porque não tínhamos usos e costumes. Isso não nos preocupa. O que não é de Deus vai desaparecer, e não será por obra dos julgamentos.” A Igreja Universal do Reino de Deus – que, na terceira semana de julho, anunciou a construção de uma “réplica do Templo de Salomão” em São Paulo, com “pedras trazidas de Israel” e “maior do que a Catedral da Sé” – também foi procurada por ÉPOCA para comentar os movimentos emergentes e as críticas dirigidas à igreja. Por meio de sua assessoria, o bispo Edir Macedo enviou um e-mail com as palavras: “Sem resposta”.


O sociólogo Ricardo Mariano, autor do livro Neopentecostais: sociologia do novo pentecostalismo no Brasil (Editora Loyola), oferece uma explicação pragmática para a ruptura proposta pelo novo discurso evangélico. Ateu, ele afirma que o objetivo é a busca por uma certa elite intelectual, um público mais bem informado, universitário, mais culto que os telespectadores que enchem as igrejas populares. “Vivemos uma época em que o paciente pesquisa na internet antes de ir ao consultório e é capaz de discutir com o médico, questionar o professor”, diz. “Num ambiente assim, não tem como o pastor proibir nada. Ele joga para a consciência do fiel.”

Por isso mesmo, Ricardo Mariano não vê comparação entre o apelo das novas igrejas protestantes e das neopentecostais. “O destino desses líderes será ‘pescar no aquário’, atraindo insatisfeitos vindos de outras igrejas, ou continuar falando para meia dúzia de pessoas”, diz ele. De acordo com o presbiteriano Ricardo Gouveia, “não há, ou não deveria haver, preocupação mercadológica” entre as igrejas históricas. “Não se trata de um produto a oferecer, que precise ocupar espaço no mercado”, diz ele. “Nossa preocupação é simplesmente anunciar o evangelho, e não tentar ‘melhorá-lo’ ou torná-lo mais interessante ou vendável.”

O advento da internet foi fundamental para pastores, seminaristas, músicos, líderes religiosos e leigos decidirem criar seus próprios sites, portais, comunidades e blogs. Um vídeo transmitido pela Igreja Universal em Portugal divulgando o Contrato da fé – um “documento”, “autenticado” pelos pastores, prometendo ao fiel a possibilidade de se “associar com Deus e ter de Deus os benefícios” – propagou-se pela rede, angariando toda sorte de comentários. Outro vídeo, em que o pregador americano Moris Cerullo, no programa do pastor Silas Malafaia, prometia uma “unção financeira dos últimos dias” em troca de quem “semear” um “compromisso” de R$ 900 também bombou na rede. Uma cópia da sentença do juiz federal Fausto De Sanctis condenando os líderes da Renascer Estevam e Sônia Hernandes por evasão de divisas circulou no final de 2009. De Sanctis afirmava que o casal “não se lastreia na preservação de valores de ética ou correção, apesar de professarem o evangelho”. “Vergonha alheia em doses quase insuportáveis” foi o comentário mais ameno entre os internautas.

A teologia chama de “cristocêntrico” o movimento empreendido por esses crentes que tentam tirar o cristianismo das mãos da estrutura da igreja – visão conhecida como “eclesiocêntrica” – e devolvê-lo para a imaterialidade das coisas do espírito. É uma versão brasileiramente mais modesta do que a Igreja Católica viveu nos tempos da Reforma Protestante. Desta vez, porém, dirigida para a própria igreja protestante. Depois de tantos desvios, vozes internas levantaram-se para propor uma nova forma de enxergar o mundo. E, como efeito, de ser enxergadas por ele. Nas palavras do pastor Kivitz: “Marx e Freud nos convenceram de que, se alguém tem fé, só pode ser um estúpido infantil que espera que um Papai do Céu possa lhe suprir as carências. Mas hoje gostaríamos de dizer que o cristianismo tem, sim, espaço para contribuir com a construção de uma alternativa para a civilização que está aí. Uma sociedade que todo mundo espera, não apenas aqueles que buscam uma experiência religiosa”.

Colaboração - IDA GOSPEL

terça-feira, 24 de agosto de 2010

Vale a pena ler!!!


Naquela noite, enquanto minha esposa servia o jantar, eu segurei sua mão e disse: "Tenho algo importante para te dizer". Ela se sentou e jantou sem dizer uma palavra. Pude ver sofrimento em seus olhos.

De repente, eu também fiquei sem palavras. No entanto, eu tinha que dizer a ela o que estava pensando. Eu queria o divórcio. E abordei o assunto calmamente.

Ela não parecia irritada pelas minhas palavras e simplesmente perguntou em voz baixa: "Por quê?"

Eu evitei respondê-la, o que a deixou muito brava. Ela jogou os talheres longe e gritou "você não é homem!" Naquela noite, nós não conversamos mais. Pude ouví-la chorando. Eu sabia que ela queria um motivo para o fim do nosso casamento. Mas eu não tinha uma resposta satisfatória para esta pergunta. O meu coração não pertencia a ela mais e sim a Jane. Eu simplesmente não a amava mais, sentia pena dela.

Me sentindo muito culpado, rascunhei um acordo de divórcio, deixando para ela a casa, nosso carro e 30% das ações da minha empresa.

Ela tomou o papel da minha mão e o rasgou violentamente. A mulher com quem vivi pelos últimos 10 anos se tornou uma estranha para mim. Eu fiquei com dó deste desperdício de tempo e energia mas eu não voltaria atrás do que disse, pois amava a Jane profundamente. Finalmente ela começou a chorar alto na minha frente, o que já era esperado. Eu me senti libertado enquanto ela chorava. A minha obsessão por divórcio nas últimas semanas finalmente se materializava e o fim estava mais perto agora.

No dia seguinte, eu cheguei em casa tarde e a encontrei sentada na mesa escrevendo. Eu não jantei, fui direto para a cama e dormi imediatamente, pois estava cansado depois de ter passado o dia com a Jane.

Quando acordei no meio da noite, ela ainda estava sentada à mesa, escrevendo. Eu a ignorei e voltei a dormir.

Na manhã seguinte, ela me apresentou suas condições: ela não queria nada meu, mas pedia um mês de prazo para conceder o divórcio. Ela pediu que durante os próximos 30 dias a gente tentasse viver juntos de forma mais natural possivel. As suas razões eram simples: o nosso filho faria seus exames no próximo mês e precisava de um ambiente propício para prepar-se bem, sem os problemas de ter que lidar com o rompimento de seus pais.

Isso me pareceu razoável, mas ela acrescentou algo mais. Ela me lembrou do momento em que eu a carreguei para dentro da nossa casa no dia em que nos casamos e me pediu que durante os próximos 30 dias eu a carregasse para fora da casa todas as manhãs. Eu então percebi que ela estava completamente louca mas aceitei sua proposta para não tornar meus próximos dias ainda mais intoleráveis.

Eu contei para a Jane sobre o pedido da minha esposa e ela riu muito e achou a idéia totalmente absurda. "Ela pensa que impondo condições assim vai mudar alguma coisa; melhor ela encarar a situação e aceitar o divórcio" - disse Jane em tom de gozação.

Minha esposa e eu não tínhamos nenhum contato físico havia muito tempo, então quando eu a carreguei para fora da casa no primeiro dia, foi totalmente estranho. Nosso filho nos aplaudiu dizendo: - "O papai está carregando a mamãe no colo!". Suas palavras me causaram constrangimento. Do quarto para a sala, da sala para a porta de entrada da casa, eu devo ter caminhado uns 10 metros carregando minha esposa no colo. Ela fechou os olhos e disse baixinho "Não conte para o nosso filho sobre o divórcio". Eu balancei a cabeça mesmo discordando e então a coloquei no chão assim que atravessamos a porta de entrada da casa. Ela foi pegar o ônibus para o trabalho e eu dirigi para o escritório.

No segundo dia, foi mais fácil para nós dois. Ela se apoiou no meu peito, eu senti o cheiro do perfume que ela usava. Eu então percebi que há muito tempo não prestava atenção a essa mulher. Ela certamente tinha envelhecido nestes últimos 10 anos, havia rugas no seu rosto, seu cabelo estava ficando fino e grisalho. O nosso casamento teve muito impacto nela. Por uns segundos, cheguei a pensar no que havia feito para ela estar neste estado.

No quarto dia, quando eu a levantei, senti uma certa intimidade maior com o corpo dela. Esta mulher havia dedicado 10 anos da vida dela a mim.

No quinto dia, a mesma coisa. Eu não disse nada a Jane, mas ficava a cada dia mais fácil carregá-la do nosso quarto à porta da casa. Talvez meus músculos estejam mais firmes com o exercício, pensei.

Certa manhã, ela estava tentando escolher um vestido. Ela experimentou uma série deles mas não conseguia achar um que servisse. Com um suspiro, ela disse "Todos os meus vestidos estão grandes para mim". Eu então percebi que ela realmente havia emagrecido bastante, daí a facilidade em carregá-la nos últimos dias.

A realidade caiu sobre mim com uma ponta de remorso... ela carrega tanta dor e tristeza em seu coração..... Instintivamente, eu estiquei o braço e toquei seus cabelos.

Nosso filho entrou no quarto neste momento e disse "Pai, está na hora de você carregar a mamãe". Para ele, ver seu pai carregando sua mão todas as manhãs tornou-se parte da rotina da casa. Minha esposa abraçou nosso filho e o segurou em seus braços por alguns longos segundos. Eu tive que sair de perto, temendo mudar de idéia agora que estava tão perto do meu objetivo. Em seguida, eu a carreguei em meus braços, do quarto para a sala, da sala para a porta de entrada da casa. Sua mão repousava em meu pescoço. Eu a segurei firme contra o meu corpo. Lembrei-me do dia do nosso casamento.

Mas o seu corpo tão magro me deixou triste. No último dia, quando eu a segurei em meus braços, por algum motivo não conseguia mover minhas pernas. Nosso filho já tinha ido para a escola e eu me vi pronunciando estas palavras: "Eu não percebi o quanto perdemos a nossa intimidade com o tempo".

Eu não consegui dirigir para o trabalho.... fui até o meu novo futuro endereço, saí do carro apressadamente, com medo de mudar de idéia...Subi as escadas e bati na porta do quarto. A Jane abriu a porta e eu disse a ela "Desculpe, Jane. Eu não quero mais me divorciar".

Ela olhou para mim sem acreditar e tocou na minha testa "Você está com febre?" Eu tirei sua mão da minha testa e repeti "Desculpe, Jane. Eu não vou me divorciar. Meu casamento ficou chato porque nós não soubemos valorizar os pequenos detalhes da nossa vida e não por falta de amor. Agora eu percebi que desde o dia em que carreguei minha esposa no dia do nosso casamento para nossa casa, eu devo segurá-la até que a morte nos separe.

A Jane então percebeu que era sério. Me deu um tapa no rosto, bateu a porta na minha cara e pude ouví-la chorando compulsivamente. Eu voltei para o carro e fui trabalhar.

Na loja de flores, no caminho de volta para casa, eu comprei um buquê de rosas para minha esposa. A atendente me perguntou o que eu gostaria de escrever no cartão. Eu sorri e escrevi: "Eu te carregarei em meus braços todas as manhãs até que a morte nos separe".

Naquela noite, quando cheguei em casa, com um buquê de flores na mão e um grande sorriso no rosto, fui direto para o nosso quarto onde encontrei minha esposa deitada na cama - morta.
Minha esposa estava com câncer e vinha se tratando a vários meses, mas eu estava muito ocupado com a Jane para perceber que havia algo errado com ela. Ela sabia que morreria em breve e quis poupar nosso filho dos efeitos de um divórcio - e prolongou a nossa vida juntos proporcionando ao nosso filho a imagem de nós dois juntos toda manhã. Pelo menos aos olhos do meu filho, eu sou um marido carinhoso.

Os pequenos detalhes de nossa vida são o que realmente contam num relacionamento. Não é a mansão, o carro, as propriedades, o dinheiro no banco. Estes bens criam um ambiente propício a felicidade mas não proporcionam mais do que conforto. Portanto, encontre tempo para ser amigo de sua esposa, faça pequenas coisas um para o outro para mantê-los próximos e íntimos. Tenham um casamento real e feliz!

Se você não dividir isso com alguém, nada vai te acontecer.

Mas se escolher enviar para alguém, talvez salve um casamento.
Muitos fracassados na vida são pessoas que não perceberam que estavam tão perto do sucesso e preferiram desistir..


UM CASAMENTO CENTRADO EM CRISTO É UM CASAMENTO QUE DURA UMA VIDA TODA.

Coisas que meenviam - Pr. A

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

ETA, QUANTA COISA PÉSSIMA ENCONTREI!

ETA, QUANTA COISA PÉSSIMA ENCONTREI!
(Mas sei que há muita coisa boa!)
Helci R. Pereira – helcip@uol.com.br

Vi, observei um flash curioso, interessante, que dizia -
“Atenção, nem tudo é mau, também há o PÉSSIMO!”.
Refleti , pensei, pesquisei, imaginei, e concluí:
Péssimo é o dinheiro quando se torna patrão.
Péssimo para a saúde é o cigarro, que encurta a vida,
Além de acumular muita gordura na barriga.
Péssimo p’ra economia é a inflação e também a recessão.
Péssimo p’ro turista é dia chuvoso/nublado. ao invés de ensolarado.
Péssimo, nos Estádios, é a torcida organizada ao promover perturbação.
Péssimo, muitas vezes, é o mau exemplo que os pais aos filhos dão.
Péssimo é o serviço de energia elétrica em todo o País.
Péssimo é o transporte público à disposição dos brasileiros.
Péssimo, como bem disse o Senador Freitas Neto,
É o estado de conservação das nossas Rodovias.
Péssimo exemplo em consumo racional de água nos dá
A capital do Brasil. (É o reclamo de grande especialista).
Péssimo é o exemplo da “Corte paranaense” em proteger nepotismo.
Péssimos exemplos para a juventude política brasileira:
É o beija-mão de Stefano Stefani, deputado italiano,
Por parte do presidente da Juventude Democrata,
Em solidariedade ao governo italiano face ao
Refúgio político, pelo Brasil concedido, a Cesare Battisti.
É o absurdo dos deputados catarinenses, e mau-exemplo p’ra nação,
Depois de tantas desgraças por conta do desrespeito à natureza,
Terem aprovado um Código Florestal totalmente equivocado.

*Coisas que me enviam - Pr.H

sábado, 21 de agosto de 2010

Rev. Caio Fábio Ainda Fala - 18



A SUA CURA É O OUTRO...‏
De: leitura@caiofabio.com (leitura@caiofabio.com)
Enviada: quinta-feira, 28 de maio de 2009 17:58:24
Para: profgonzaga@hotmail.com (profgonzaga@hotmail.com)

Os caminhos do coração humanos são indecifráveis...
Você vê gente sofrendo de tudo, e vivendo como se tudo fosse normal. Você, por outro lado, vê gente sofrendo de nada como se sofresse de tudo...
Na realidade, cada vez mais, minha experiência vai mostrando que não há escolas psicológicas capazes de atender a cada alma humana.
De fato, cada alma demanda uma psicologia pessoal e particular...
Não dá pra dizer que Freud explica quase nada...
Freud explica a si mesmo..., e olhe lá...
Sua Psicanálise é auto-analise, por mais “cientifico” que ele pretendesse ser, posto que por mais isento que fosse, a “ciência” que ele praticava só poderia ser verificada a partir dele mesmo, não apenas de sua interpretação, mas de sua própria/particular/existencial experiência psicológica.
Há pessoas que me procuram com crises de contornos “freudianos”. Para tais pessoas Freud parece funcionar bem... Outras, porém, nada têm a ver com o que o Freud pressupôs houvesse em todo homem, sem que haja...
Nesses casos, tateio até ver a “porta de entrada” da pessoa, e, frequentemente, verifico que tal “entrada” não existe nas matrizes das linhas psicológicas clássicas ou pedagógicas, e, portanto, demanda uma psicologia singular, tecida entre você e a pessoa, até que o sistema esteja mais ou menos visível e, portanto, discernível.
Em outras palavras: tem que ser como Jesus praticava...
A “psicologia” de Jesus era simples e se servia das metáforas que as pessoas traziam ou compreendiam. Tudo, porém, tinha ver com “aquela” pessoa, e não com uma matriz psicológica universal.
Assim, com Jesus não há padrões... O padrão é o individuo...
Desse modo, cada pessoa demanda uma psicologia singular, por mais que os modelos psicológicos possam ajudar aqui e ali. No entanto, depender exclusivamente deles é pura tolice...
O modelo de Paulo, a confrontação, é o que vejo que melhor ajuda as pessoas, pois, de fato, trata-se de um método não metódico, é que busca discernir a essência da questão, e trata dela cara a cara, sem medo de afirmar, de indagar, de sugerir, de provocar, de perturbar mesmo... — até que a verdade vá aparecendo, e, assim, a pessoa vá se enxergando e tomando as decisões práticas quanto a debelar o vício do sintoma como mal a ser tratado como causa... sem que o seja.
Os pudores psicológicos atrasam em demasia a cura das pessoas...
Vejo pessoas oito, dez, doze anos em um terapeuta, ruminando os mesmos bagaços, pagando caro para serem ouvidos sem que isto deslinde qualquer coisa em seus interiores, até que chegue o dia da verdade...
Então, sem pudor, atendo a tais pessoas; algumas já sabem tudo de tudo, até mais que a maioria dos psicólogos, de tão profissionais como clientes que vieram a se tornar...
A surpresa para elas é que o que durara anos, por vezes em uma, duas, três semanas, ou em poucos meses, cede...; e, então, começa a abrir o espaço interior para que, pela via da confrontação, a pessoa comece a parar de chocar seus quase/dramas; e, assim, sem pena de si mesmo, sem transferências de nada para ninguém, sem auto-piedade ou auto-comiseração, o individuo comece a reagir; e, em não muito tempo, comece a ficar perplexo com os resultados...; sem saber a razão de não ter que ser um processo necessariamente tão longo e demorado no atingimento dos desejados resultados...
Na realidade o que a maioria das pessoas necessita é do encaramento na e da verdade!
Noto o despreparo brutal da maioria dos chamados profissionais de Psicologia. Alguns nada dizem apenas porque não têm mesmo o que dizer... Outros gostam da lentidão... Ela é lucrativa... Há ainda os que são tão doentes que fazem psicologia para se distraírem de si mesmos ouvindo os outros... Mas poucos há com consciência do que seja a ajuda que as pessoas precisam...
Ora... isto sem falar naqueles que são pagos apenas para consentirem com o devaneio do individuo...
São os Psicólogos do “vamos que vamos”...
Sim, você o paga apenas para que ele diga que você tem razão em soltar todas as frangas e todos os bichos do seu zoológico particular...
No meio disso tudo, há alguns profissionais da psicologia que são de fato muito bons, embora poucos.
O que me ressinto mesmo é do fato que se houvesse entendimento do Evangelho, e amor e limpidez de propósitos, todo verdadeiro pastor de almas naturalmente seria um psicólogo.
Mas quase não há tal coisa... A maioria dos pastores está tão perdida que nem mesmo dá conta de sua própria alma, quanto mais da dos outros!...
A receita de cura de Isaías é simples [cap.58]: liberte os oprimidos, quebre cadeias nos outros, franqueia a vida ao próximo, não fuja dele; e mais que isto: abra a sua própria alma com o aflito [deslocando o foco do “si-mesmo” para o outro] — pois, então, se diz: A tua cura brotará sem detença!...
A melhor terapia desta vida sempre será o serviço em amor!
Quem se esquece de si e arranja olhos para a vida, em geral ficará curado enquanto limpa feridas e cuida de angustias alheias...
Aquele, porém, que apenas cuida de si mesmo, de suas supostas dores, e concentra-se exclusivamente em sua angustia como elemento pivotal da existência universal, esse pode contratar o melhor psicólogo para que lhe ande a tira-colo, pois, ainda assim, jamais ficará curado...
Ninguém sabe em que espírito o Samaritano vinha sem seu caminho... Entretanto, pouco importa se ele vinha cantando, alegre, feliz e grato, ou se vinha sofrendo, angustiado e infeliz... Sim, o que importa é que ele olhou para o outro, o outro pior do que ele, o outro sem autodeterminação, caído no caminho... E mais: fez isso sem que importasse quem ele ou o outro fossem um para o outro...
Sem que fosse significativo como o Samaritano estivesse se sentindo, o que valeu foi o ato, foi o feito, foi a parada e o levantar do homem...
Sim, o importante não era a subjetividade, mas a objetividade da decisão...
Digo isto hoje porque vejo que muitos dos que me escrevem jamais ficarão curados enquanto não se esquecerem de si mesmos, e, enquanto não transformarem sua auto-vitimização em ação pró-ativa em favor da vida...
Pense nisto; e pare de lamber adoecidamente as suas próprias feridas...

Nele, que nos cura pela verdade e pela prática do amor voltado para aquele que vemos..., e que carece de graça e cuidado,

Caio
28 de maio de 2009
Lago Norte
Brasília
DF
www.caiofabio.com
www.vemevetv.com.br

Governo Lula distribuirá camisinhas para crianças de 10 anos em escolas públicas


Florianópolis, João Pessoa e Brasília serão as primeiras cidades.

O que você acha de o governo distribuir camisinhas para crianças de 10 anos nas escolas?

Pois é. Esse é o projeto que o Ministério da Saúde está desenvolvendo nas escolas públicas. A máquina corruptora, desenvolvida pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina (IF-SC), foi entregue nesta terça-feira (10 de julho), em Brasília. Uma equipe de “pesquisadores” apresentou o protótipo. O programa do Ministério da Saúde também irá aproveitar um projeto de João Pessoa, na Paraíba.

A instalação do equipamento nas escolas tem despertado muitas opiniões favoráveis do governo, de ONGs sustentadas pelo Estado e da mídia igualmente comprada. A opinião dos pais e mães, cuja maioria se opõe aos esforços do governo de erotizar ainda mais crianças e adolescentes, é literalmente jogada para debaixo do tapete pelo governo e seus aliados gananciosos.

De início, escolas de Florianópolis, João Pessoa e Brasília receberão a máquina, mas a intenção do governo é expandir para todas as escolas do Brasil. Alunos a partir de dez anos terão uma matrícula e receberão da escola uma senha para terem acesso gratuito às camisinhas, pois uma das prioridades do governo é o pleno prazer sexual de crianças e adolescentes.

Extraido - http://www.genizahvirtual.com/2010/08/governo-lula-distribuira-camisinhas.html

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Ainda tem gente séria


A nota dele
foi 5,2
Em 2006, ÉPOCA mostrou que, na campanha de 2002, antes de virar presidente, Lula fez mais de 700 promessas. A análise das mais importantes em 16 áreas mostra que ele cumpriu mais da metade do que foi prometido.

Fonte: Época

III JOÃO

III JOÃO
HELCI R. PEREIRA – helcip@uol.com.br


I) DESTINATÁRIO DA CARTA – v. 1

GAIO
TRÊS GAIOs: Gaio da Macedônia – At. 19.29
Gaio de Derbe – At. 20.4
Gaio, batizado por Paulo (I Co. 1.14; hospedeiro de Paulo (Rm. 16.23 e destinatário desta Carta (v. 1).
ENTÃO: Gaio deve ter sido filho na fé de João – Ver vs. 3-4. Era membro da igreja em Corinto e hospedava Paulo.

II) PROPÓSITO DA CARTA – VS. 3 a 12:
1) Elogiar e estimular GAIO (Quais os elogios?)
2) Censurar DIÓTREFES (Quais as reclamações?)
3) Elogiar o testemunho de DEMÉTRIO (Qual o elogio?)

III CONTRIBUIÇÃO DA CARTA
1) Não oferece nenhuma contribuição especial
2) Tem o valor de revelar o perigo e o mal de uma atitude déspota e autoritária no ambiente da igreja.

IV SÍNTESE DO CONTEÚDO DA CARTA
Verso 1 – AMOR ( amizade sincera, firmada na verdade e por causa da verdade).
Verso 2 – ORAÇÃO (Não mero deseja, mas uma oração).
Versos 3-4 – REGOZIJO (Verificar o motivo da alegria de João).
Versos 5-8 – EXORTAÇÃO (Proceder corretamente para com judeus e gentios convertidos).
Versos 9-10 – DENÚNCIA contra Diótrefes (Já comentado).
Verso 11 – RECOMENDAÇÃO importante
Verso 15 – SAUDAÇÃO final

sábado, 14 de agosto de 2010

ESCOLHAS


ESCOLHAS
Helci R. Pereira – helcip@uol.com.br - 2010

Grande é o privilégio que temos de fazer escolhas.
Tal privilégio responsabilidades acarreta,
Pois colhemos, em geral, o produto do que semeamos.
Muitas vezes, fazemos escolhas infelizes.
Há homens e mulheres que optam por ódio e por vingança,
Estragando suas vidas no tempo e na eternidade.
Herodias escolheu a cabeça de Batista, homem justo,
Por ter verberado sua vida de pecado.
Muitos outros não estão muito longe de Herodias,
Quando preferem ao perdão,
A vingança, o revide, a retaliação.
Outra escolha infeliz é a de riquezas, de grandezas.
Quantos só pensam no fausto, ficando, até,
Nervosos, doentes, inquietos!
Creso, Filipe, o macedônio, Mídias, lendário general grego,
Foram infelizes, apesar de suas posses, de seus cabedais.
Muitos escolhem uma vida de vícios, de maus hábitos,
Pensando estarem fazendo muito bem,
Como o soldado russo que, numa batalha,
Veio seu General a salvar.
“Quero ser-te grato! Escolhe o que quiseres, pede!”
Disse ao soldado herói o general agradecido,
Obtendo do mesmo esta resposta:
“Dá-me uma garrafa de vodka para me deliciar!”
Espantado, o oficial, por três vezes, lhe falou::
“Quero ser-te grato! Escolhe o que quiseres, pede!”
E a resposta, por três vezes, foi a mesma:
“Dá-me uma garrafa de vodka para me deliciar!”
Que escolha lastimável!
Outros fazem escolhas frívolas, prenhes de vaidade,
Escolhas sem moral objetivo,
Visando, apenas, satisfação passageira,
Como aquela mocinha que um dia me falou:
“O melhor presente que me podem dar:
É um romance policial com bastante suspense”.
Que escolha insignificante, requintada de futilidade.
Mas há escolhas felizes que se fazem:
Servir à Causa do Senhor e ao bem da humanidade,
Trilhar as veredas da sabedoria e da honestidade,
Ser ético e correto à saciedade.

Coisas que me enviam - Pr. Helci

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

'TROQUE UM PARLAMENTAR POR 344 PROFESSORES'

Uma frase que deve ser pensada, pois reflete uma verdade triste em nosso País.

A Colocação do Brasil

"No futebol, o brasil ficou entre os 8 melhores do mundo e todos estão tristes.

Na educação é o 85º e ninguém reclama..."

EU APOIO ESTA TROCA

TROQUE 01 PARLAMENTAR POR 344 PROFESSORES

O salário de 344 professores que ensinam = ao de 1 parlamentar que rouba.

Essa é uma campanha que vale!

Repasso com solidária revolta!

Prezado amigo!

Sou professor de Física, de ensino médio de uma escola pública em uma cidade do

interior da Bahia e gostaria de expor a você o meu salário bruto mensal: R$650,00

Eu fico com vergonha até de dizer, mas meu salário é R$650,00. Isso mesmo! E olha que eu ganho mais que outros colegas de profissão que não possuem um curso superior como eu e recebem minguados R$440,00.
Será que alguém acha que, com um salário assim, a rede de ensino poderá contar com professores competentes e dispostos a ensinar? Não querendo generalizar, pois ainda existem bons professores lecionando, atualmente a regra é essa:
O professor faz de conta que dá aula, o aluno faz de conta que aprende, o Governo faz de conta que paga e a escola aprova o aluno mal preparado. Incrível, mas é a pura verdade! Sinceramente, eu leciono porque sou um idealista e atualmente vejo a profissão como um trabalho social.
Mas nessa semana, o soco que tomei na boca do estomago do meu idealismo foi duro!

Descobri que um parlamentar brasileiro custa para o país R$10,2 milhões por ano...
São os parlamentares mais caros do mundo. O minuto trabalhado aqui custa ao contribuinte R$11.545.
Na Itália, são gastos R$3,9 milhões,
na França, pouco mais de R$2,8 milhões,
na Espanha, R$850 mil
na vizinha Argentina R$1,3 milhões.
Trocando em miúdos, um parlamentar custa ao país, por baixo, 688 professores com curso superior !
Diante dos fatos, gostaria muito, amigo, que você divulgasse minha campanha, na qual o lema será:

'TROQUE UM PARLAMENTAR POR 344 PROFESSORES'.

COMO VOCE VAI VOTAR DEPOIS DE LER ESTA MATÉRIA??

REPASSEM, EU JÁ ADERI À CAMPANHA!

Para reflexão!!!!!!!

Um abraço,

Levi Augusto

"Seja Deus gracioso para conosco, e nos abençoe, e faça resplandecer sobre nós o rosto;

para que se conheça na terra o teu caminho e, em todas as nações, a tua salvação"

Salmos 67

Coisas que ne enviam - Pr. AR


Resolvi divulgar esta matéria, porque também sou professor.
Prof. Cornélio G

Anúncio de namoro - é vero e hilário‏


O JORNAL CEARENSE RECEBEU ESSE PEDIDO DE PUBLICAÇÃO DE ANUNCIO E, ACHANDO-O ENGRAÇADO, PEDIU AUTORIZAÇÃO PARA COLOCA-LO EM LOCAL DE DESTAQUE, SEM QUALQUER ACRESCIMO DE CUSTO. AFINAL, ERA COMICO. NÃO ESPERAVAM RESPOSTA, MAS... HOUVE A RESPOSTA... E, DA MESMA FORMA QUE O ANUNCIO INICIAL, RECEBEU LOCAL DE DESTAQUE EM SUA PUBLICAÇÃO.


Matéria publicada em um jornal de circulação diária do Estado do Ceará
(Leia também a resposta da pretendente).




ANÚNCIO PARA ARRUMAR NAMORADA
Homem descasado procura...

Homem de 40 anos, que só gosta de mulher, após casamento de sete anos, mal sucedido afetivamente, vem através deste anúncio, procurar mulher que só goste de homem, para compromisso duradouro, desde que esta preencha certos requisitos:
O PRETENDIDO exige que a PRENTENDENTE tenha idade entre 28 e 40 anos, não descartando, evidentemente, aquelas de idade abaixo do limite inferior, descartando as acima do limite superior.
Devem ter um grau razoável de escolaridade, para que não digam, na frente de estranhos: 'menas vezes', 'quando eu si casar', 'pobrema no úter', 'eu já si operei de apênis', 'é de grátis', 'vamo de a pé', 'adoro tar com você' e outras pérolas gramaticais.

Os olhos podem ter qualquer cor, desde que sejam da mesma e olhem para uma só direção.
Os dentes, além de extremamente brancos, todos os 32, devem permanecer na boca ao deitar e nunca dormirem mergulhados num copo d'água.
Os seios devem ser firmes, do tamanho de um mamão papaia, cujos mamilos olhem sempre para o céu, quando muito para o purgatório, nunca para o inferno.
Devem ter consistência tal que não escapem pelos dedos, como massa de pão.

Por motivos óbvios, a boca e os lábios, devem ter consistência macia, não confundir com beiço.
A barriga, se existir, muito pequena e discreta, e não um ponto de referência.
O PRETENDIDO exige que a PRETENDENTE seja sexualmente normal, isto é, tenha orgasmos, se múltiplos melhor, mas mesmo que eventuais, quando acontecerem, que ela gema um pouco ou pisque os olhos, para que ele sinta-se sexualmente interessante. Independentemente da experiência sexual do PRETENDIDO, este exige que durante o ato sexual a PRETENDENTE não boceje, não ria, não fique vendo as horas no rádio relógio, não durma ou cochile.
O PRETENDIDO exige que a PRETENDENTE não tenha feito nenhuma sessão de análise, o que poderia camuflar, por algum tempo, uma eventual esquizofrenia.

A PRETENDENTE deverá ter um carro que ande, nem que seja uma Brasília, ou que tenha dinheiro para o táxi, uma vez que pela própria idade do PRETENDIDO, ele não tem mais paciência para levar namorada de madrugada para casa.

Enviar cartas com foto recente, de corpo inteiro, frente e costas, da PRETENDENTE, para a redação deste jornal, para o codinome:
'CACHORRO MORDIDO DE COBRA TEM MEDO ATÉ DE BARBANTE'.


RESPOSTA DA PRETENDENTE, PUBLICADA DIAS APÓS, NO MESMO PERIÓDICO CEARENSE:

Prezado HOMEM DESCASADO...

Li seu anúncio no jornal e manifesto meu interesse em manter um compromisso duradouro com o senhor, desde que (é claro) o senhor também preencha outros 'certos' requisitos que considero básicos! Vale lembrar que tais exigências se baseiam em conclusões tiradas acerca do comportamento masculino em diversas relações frustradas, que só não deixaram marcas profundas em minha personalidade, porque 'graças a Deus', fiz anos de terapia, o que infelizmente contraria uma de suas exigências!

Quanto à idade convém ressaltar que espero que o senhor tenha a maturidade dos 40 anos e o vigor dos 28, e que seu grau de escolaridade supere a cultura que porventura tenha adquirido assistindo aos programas do 'Show do Milhão'...!

Seus olhos podem ser de qualquer cor desde que vejam algo além de jogos de futebol e revistas de mulher pelada. E seus dentes devem sorrir mesmo quando lhe for solicitado que lave a louça ou arrume a cama. Não é necessário que seus músculos tenham sido esculpidos pelo halterofilismo, mas que seus braços sejam fortes o suficiente para carregar as compras. Quanto a boca, por motivos também óbvios, além de cumprir com eficiência as funções a que se destinam, as bocas no relacionamento de um casal devem servir, inclusive, para pronunciar palavras doces e gentis e não somente: 'PEGA MAIS UMA CERVEJA AÍ, MULHER!'. A barriga, que é quase certo que o senhor a tenha, é tolerável, desde que não atrapalhe para abaixar ao pegar as cuecas e meias que jamais deverão ficar no chão. Quanto ao desempenho sexual espera-se que corresponda ao menos polidamente à 'performance' daquilo que o senhor 'diz que faz' aos seus amigos! E que durante o ato sexual, não precise levar para a cama livros do tipo: 'Manual do corpo humano' ou 'Mulher, esse ser estranho'!

No que diz respeito ao ítem alimentação, cumpre estar atualizado com a lista dos melhores restaurantes, ser um bom conhecedor de vinhos e toda espécie de iguarias, além de bancar as contas, evidentemente. Em relação ao carro, tornam-se desnecessários os trajetos durante a madrugada, uma vez que, havendo correspondência nas exigências que por ora faço, pretendo mudar-me de mala e cuia para a sua casa ... meu amor!!!

ass: A COBRA

Coisas que me enviam - AV

terça-feira, 10 de agosto de 2010

“COISAS BOAS” EM PROVÉRBIOS

“COISAS BOAS” EM PROVÉRBIOS
Helci R. Pereira – helcip@uol.com.br

Há muitas coisas boas no Livro de Provérbios, vejamos algumas:
Leia a excelente Obra e você vai descobrir ali as seguintes coisas boas:

1 Prudência, conhecimento, bom siso e bom senso - agir com moderação, comedimento, buscando evitar tudo o que acredita ser fonte de erro ou de dano; ser cauteloso e precavido em suas ações e atitudes; ser sensato no seu dia-a-dia. (1.4; 2.11; 3.21; 13.15)
2 Resposta branda – Gente irada sempre fala alto. Palavras brandas são como bálsamo em ferida. (15.1)
3 Língua suave – É como árvore de vida, curativa e sadia. (15.4)
4 Oração dos retos – A Oração dos retos, dos que buscam andar nos caminhos de Deus é motivo de contentamento para o Senhor, ao passo que Deus se enfada do sacrifício daqueles que o honram com os lábios e não com o coração, e até abomina tais sacrifícios. (15.8)
5 Coração alegre – O coração alegre, feliz, aformoseia o rosto. Pelo aspecto do rosto, vê-se o estado d’alma das criaturas. A tristeza do coração e o abatimento do espírito se manifestam claramente em nossos traços fisionômicos, em nosso olhar, em nossas reações. (15.13)
6 O pouco com temor do Senhor – Na experiência do sábio, é melhor pouca coisa com temor a Deus, do que o muito onde há inquietação produzida pela ausência desse temor - respeito, reverência. (15.16)
Já dissera o sábio que “O TEMOR A DEUS É O PRINCÍPIO DO SABER.”
(1979).

sábado, 7 de agosto de 2010

Ser Pai


Ser pai é primeiramente amar a Deus.
Porque foi de Deus que descendemos.
Ser pai é ter consciência de bem estar com os seus.
Ser pai é viver intensamente no lar em que nos compromissamos.

Ser pai é compreender a missão de formar o caráter da família.
Mesmo com sofrimento mesmo planejando em planilha,
O orçamento, despesas e tudo mais a que o lar compete.
Ser pai é amar os seus na trajetória da vida, consequentemente.


Ser pai é desfrutar da bênção do lar.
Honrando o compromisso que fez perante o altar.
Amando a família como dádiva de Deus que deu.
E assim vai vivendo e usufruindo a bênção do lar que é um pedaço do céu.

Prof. Cornélio Gonzaga

08.08.10

Há Sempre Alguém


O mundo inteiro está cheio de pessoas.
Há pessoas caladas que precisam de alguém para conversar.
Há pessoas tristes que precisam de alguém que as conforte.
Há pessoas tímidas que precisam de alguém que as ajude vencer a timidez.
Há pessoas sozinhas que precisam de alguém para brincar.
Há pessoas com medo que precisam de alguém para lhes dar a mão.
Há pessoas fortes que precisam de alguém que as faça pensar na melhor maneira de usarem a sua força.
Há pessoas habilidosas que precisam de alguém para ajudar a descobrir a melhor maneira de usarem a sua habilidade.
Há pessoas que julgam que não sabem fazer nada e precisam de alguém que as ajude a descobrir o quanto sabem fazer.
Há pessoas apressadas que precisam de alguém para lhes mostrar tudo o que não tem tempo para ver.
Há pessoas impulsivas que precisam de alguém que as ajude a não magoar os outros.
Há pessoas que se sentem de fora e precisam de alguém que lhes mostre o caminho de entrada.
Há pessoas que dizem que não servem para nada e precisam de alguém que as ajude a descobrir como são importantes.
Precisam de alguém Talvez de ti ...


Autor Desconhecido

Coisas que me enviam - AV